Conheça Pomodoros Black, a nova versão do site Pomodoros.com.br

[:pt]Os primeiros usuário do site, em 2010, conheceriam o primeiro conceito do sistema e sua nova interface, e, como não poderia deixar de ser, a primeira coisa que me veio a cabeça quando fiz o logo foram os tomates em forma de cronômetro, então, rapidamente rascunhei um logo e coloquei tomates no lugar do “o”.

Primeiro logo do Pomodoros

Acabei achando que estava muito óbvio e essa cor e configuração colocariam o logo numa posição comum, as cores e formas não falavam muito sobre o que era o projeto, alguns poderia até achar que era sobre molho de tomate ou uma pizzaria. Então mudei a cor do site para verde e substitui o logo, que é o que permanece até hoje.

Assim a maioria dos usuário viriam a conhecer o sistema na cor verde, onde houve uma pequena explosão no número de acessos e acabei precisando migrar de servidor em 2013 e desde então o serviço não atingiu mais nenhum grande momento de estabilidade, e assim, em pouco tempo fui perdendo todos os usuários, até chegar em zero.

Pessoas queriam usar mas o sistema caia, era frustrante e acabei revertendo toda aquela euforia inicial dos usuários para uma experiência de usuário horrível. Então entre 2014-2016 o projeto foi arquivado, ficou no ar algum tempo sem acesso, mas em 2017, após a adoção de um novo conceito de trabalhar com código-aberto, o Pomodoros ganharia sua última e derradeira versão, o Pomodoros Black, com a cor preta para representar uma nova experiência para os usuários.

Pomodoros Black, nova interface

Além disto com o código-aberto no github este projeto se transforma num excelente item de portfólio. Por fim, subitamente o JavaScript vem ganhando uma crescente atenção do mercado, o que pode valorizar e muito este projeto, que é feito com WordPress + JavaScript.

Você pode criar sua conta de usuário gratuitamente. O projeto é hospedado por F5 Sites e atualizador por Francisco Mat.[:]

Recuperando um email de 2012 para um cliente: Pagando para limpar e encerar

Em 2012 um contato pelo meu site com uma dúvida me intrigou e elaborei uma resposta um pouco mais elaborada, com tantas ofertas de serviço grátis na área de TI, com sites oferecendo a criação de uma loja virtual grátis, porque alguém iria pagar um profissional para criar sua própria loja? Hoje prefiro que o cliente saiba o motivo antes de me procurar, mas em 2012 tive a paciência para responder:

Boa tarde (cliente não revelado),

Eu pensei com mais calma na pergunta que você me fez ontem, era mais ou menos “qual a diferença do seu serviço para o que se encontra por aí de graça?”. Você me pegou meio de surpresa e eu não acho que expliquei bem essa diferença, na verdade eu agradeço pela pergunta porque é a dúvida de muita gente. Pra responder eu vou tentar usar a mesma lógica para explicar porque pagar por um serviço “grátis”.

Quanto custa para limpar a casa? Depende, é preciso saber quanto custa “pra quem”. Se você for chamar alguém, contratar uma empregada doméstica, essa pessoa poderia cobrar um salário mínimo ou mais, mas se você fizer a limpeza por conta, não vai gastar nada. Pronto, economizou na limpeza. Agora a pergunta certa é, a limpeza que você fez ficou boa? Você realmente economizou ou gastou tempo limpando a casa enquanto poderia estar sendo produtivo fazendo alguma coisa com mais valor específico?

A emprega iria limpar melhor, afinal ela vive disso, e também ia levar muito, mas muito menos tempo, ela é uma “especialista em limpeza”, sabe a solução de cada problema, por exemplo, encerar o chão, poucas casas tem o chão encerado, porque antes de encerar tem que limpar bem e ainda antes de limpar tem que comprar os produtos de limpeza. Encerar “da um trabalhão” e no final, a casa nunca está encerada.

Nada melhor do que chegar na nossa casa com o aroma de piso encerado e melhor ainda quando outra pessoa que fez o serviço pesado. O que eu estou oferecendo é uma assessoria pra você não ter dor de cabeça, eu tenho experiência na montagem de lojas e na venda pela internet. Estou oferecendo pra você é minha experiência de 10 anos na área de desenvolvimento web, e mais do que a criação de um site, é fazer um site confiável (limpar) e que realmente venda (encerar).

O email seguia com detalhes da proposta, esse texto serviu como introdução, agora 5 anos depois, relendo-o, achei que valia ser publicado como post.

Pequena grande migração: 70% de nossos códigos-abertos

Foram muitos meses migrando para o “novo” conceito de código-aberto, ainda temos muitos projetos, mais antigos, como jogos em Flash, feitos entre 2004 e 2006 para serem atualizados e migrados, mas 70% de nossos portfólio de soluções está agora hospedado no github.

Muitos projetos novos e atualizados estão sendo agora mantidos abertos, com o objetivo de adequar-se aos novos tempos e ao que de melhor a tecnologia e o direito (licença de software) tem a oferecer. Estamos agora em um novo patamar de gestão de projetos, com o código-aberto por exemplo a maioria das barreiras de sigilo e confidencialidade são colocadas em segundo-plano, podendo trazer o foco dos negócios no desenvolvimento de código, superando de partida a maioria dos possíveis problemas futuros, como no caso da separação das equipes tudo é feito de forma muito fácil, rápida e indolor.

Até o momento eu fui o desenvolvedor líder da maioria dos projetos, assim sendo, tenho o direito de escolher a licença que achar melhor. Como o WordPress permite a criação de pequenos código-fontes reutilizáveis, como plugins e temas, somente estes pequenos trechos são licenciáveis, quando aplicável e não houver restrições de terceiros.

Focalizador entrando em estágio beta

O sistema Focalizador, originado do pomodoros.com.br, está entrando em estágio beta, estamos terminando as definições e modelos de assinaturas e conversando com o mercado para adequação do produto.

Em conversa com startup recebemos diversas solicitações de novidades, como a integração com o Trello entre outras funções que elevam o valor do sistema e fazem-no ficar mais adequado para situações reais de trabalho.

Estamos perto de terminar o pacote inicial do produto, onde o mesmo estará pronto e estável para a entrada de novos clientes, esperamos que a entrada dos primeiros usuários possam nos ajudar a identificar potencialidades e problemas para serem resolvidos.

A integração com o YouTube e criação de vídeos

A linguagem de vídeos está sendo cada vez mais bem recebida pelo grande público, a tecnologia evoluiu e as até mesmo pessoas comuns agora são protagonistas da criação de conteúdo em vídeo.

Facilidades proporcionadas pela difusão de smartphone e novidades do YouTube permitem a comunicação em vídeo avançar a novos patamares. Sendo assim, criação de conteúdo com qualidade e segmentado se torna cada vez mais importantes, no meio dessa nova massa de vídeos é preciso estratégia para se destacar e atingir seu público.

Nesse momento passamos por uma grande reformulação, após muitos anos apenas escrevendo posts para meus blogs, irei agora anexar um vídeo narrando e contando um pouco mais sobre o que escrevi. Esse é mais um projeto em um estágio muito inicial, desenvolvidos para dar mais corpo ao conhecimento agregado as consultorias e lançamentos de startups planejados para este ano de 2017, acompanhe, toda a semana um vídeo.

Integrante Número Dois

Somos pequenos policiais e agentes fiscais de renda, fazemos contas sobre a vida do próximo, como ele faz para ter esse carrão? Deduzimos emprego e renda, as duas formas de coerção do capitalismo. Qual o problema do vizinho ter um carrão? Porque o cidadão comum adora vestir o capuz da vigilância e supervisionar a atividade do próximo?

Porque aceitamos o capitalismo como ele é, ninguém ensina a compartilhar, na escola cada um tem seu próprio material e aí já começa diferenciação, aprendemos a aceitar o mundo assim conforme crescemos as diferenças aparecem em formas de educação, emprego, residência, perspectivas. A revolução é compartilhar, dividir, vamos aumentar a qualidade e quantidade de nossos espaços públicos, locais de frequentação gratuita, essa é a verdadeira revolução.

O maior louco da atualidade é o cara que rasga dinheiro, queimar dinheiro é crime, vai preso, se você não se escraviza pelo sistema os próprios humanos adestrados ligam o sinal de alerta e aí o verdadeiro problema acontece, todos estão loucos menos você, mas será que isso é possível? Sinal que nossa própria consciência as vezes nos engana, o que pode parecer um defeito de fabricação dos humanos é a esperança de um futuro melhor, se não fosse essa “maleabilidade” de nossas consciências não poderia haver evolução e nem a consicientização coletiva, tão necessária para nosso verdadeiro progresso como seres espirituais e não materiais, a acumulação de capital não deveria ser a nossa prioridade como pessoas, nos enriquecemos individualmente mas empobrecemos coletivamente, em resumo nós somos humanos e somos todos muito loucos, ricos ou pobres, o que nos diferencia, isso na minha (pobre e limitada) opinião é nosso grau de consciência.

O segredo dos monges budistas é trazer a consciência para o presente, aprenda a respirar primeiro me foi aconselhado por um mebro da Rosa Cruz, anos atrás num encontro casual em um evento, explicando-me que a maioria das pessoas não sabem nem respirar, de acordo com ele a maioria de nós só “suga” o ar, entre encenações e entoações ficou claro o que ele quis dizer, já estou treinando há anos mas até hoje me considero um sugador de ar.

Não damos valor para o ar que respiramos, damos valor pra roupa que vestimos, igual dizia Bob Marley, quando chove você abre o guarda-chuva, quando venta você fecha a casa, quando faz sol você vai pra sombra, o capitalismo nos coloca em confronto com a natureza, até que ponto somos seres naturais e instintivos e até que ponto somos racionais e acumuladores.

Cada pessoa é seu próprio caos, isso faz o mundo inteiro ser um verdadeiro caos, no meio do caos é possível buscar a consciência por meio da respiração, a revolta, dor, inveja e sofrimento desaparecem e daí você olha o carrão do vizinho e não liga, no dia que isto acontecer te faço um convite, no dia que você olhar o carrão do vizinho e não se importar eu te darei as boas vindas ao mundo dos loucos, pode assinar aqui que você vai ser o integrante número dois.

Fnetwork: Buscando a Maturidade

Após anos de intenso trabalho e muitas mudanças nos bastidores antes do lançamento, com sempre a vista de melhoria do serviço, visando aprimorar diversas qualidades tecnológicas, foi-se aprimorado nossos servidores para a mais avançada configuração para lançamento rápido de novos serviços.

Dentro deste novo conceito de agilidade para lançar startups e serviços de TI, buscamos centralizar todos os domínios de projetos no mesmo servidor, compartilhando dados dos usuários, resultando numa configuação técnica aprimorada, então denominada Fnetwork em dezembro de 2017.

Após quase 2 meses de trabalho com essa nova configuração, muitos ajustes para compatibilizar todos os projetos, que eram independentes, para entrarem na Fnetwork, foram realizado e mostrou-se como uma alternativa muita vantajosa, portanto decidimos priorizar seu desenvolvimento e descontinuar todas as outras configurações.

Ainda existe muito trabalho a ser feito para completar essa integração, porém a partir deste momento vamos focar na maturidade desta nova grande rede de projetos denominada Fnetwork.

Integração de Contas de Usuários e Blogs da F5 Sites resulta na Fnetwork

Fnetwork é a rede de blogs administrados por Francisco Mat e hospedado na F5 Sites, que nada mais são do que em termos técnicos domínios diferentes operando o mesmo blog, a mesma instalação de WordPress, conteúdo (posts) e usuários, que fazem login e se cadastram em um site e tem acesso a todos, conceito parecido com que as grandes empresas de TI fazem, que oferecem uma conta de usuários e vários serviços diferentes, muitas vezes integrados, e assim aumentam e muito o valor de cada pequeno produto, que já começa com uma grande base de usuários. Naturalmente esse processo ocorreu, foram necessários meses de trabalho para atingir esse formato, porém não foi com o objetivo de imitar outra empresa, mas é uma convergência que por si só habilita uma série de melhorias na gestão de contas, apesar de ser fundamental para um crescimento continuado, é extremamente delicado e complicado de implantar na prática, já que temos muitas alternativas e exigências, assim também oferecemos um sistema de integração baseado em REST e Oauth 1.0, para que de fatos as contas dos usuários possam ser sincronizadas em diversos aplicativos e dispositivos.

A Fnetwork é o resultado de uma iniciativa de avanço tecnológico, um desafio técnico que estimulou a resultou na criação de toda uma rede facilmente expansível e integrada. A partir de um único blog é possível administrar outros blogs localizados em outros domínios, escreve o post uma vez e a publicação é “republicada” automaticamente pela rede.

Esse desafio apresenta possíveis soluções semi-prontas, testadas e levadas até o limite, como a utilização do plugin mainwp, integrado com facebook autopublish e qtranslateX, resultando numa configuração técnica muito boa e veloz. Com esse set de plugin era possível escrever um texto e o mesmo ser copiado em tempo real para os outros blogs, ótimo, mas em pouco tempo aparecer o primeiro problema, na hora de editar o texto, corrigir alguma informação ou erro era preciso alterar em todos os locais diferentes, sendo que havia texto sendo replicado em 4 ou 5 blogs, e como eu erro muito e gosto de ter essa liberdade de poder me corrigir no futuro e manter sempre o post atualizado e com informações quentes e atualizadas, porque diferente de um livro o blog é mais vivo, é atualizado e até mesmo os posts já escritos são corrigidos, assim como capítulos de livros, mas em vez de imprimir tudo de novo já é feito automaticamente.

A disponibilidade da informação é crucial, quanto mais rápido a velocidade de entrega mais disponível sua notícia e conteúdo fica, chegue antes, ou o mais próximo possível da hora certa, e seu leitor terá tempo para decidir qual melhor momento para consumir seu conteúdo. Então essa configuração não atendia essa necessidade de fornecer informação sempre atualizada, eu criei uma solução própria, disponível no github, um plugin denominado f5sites/shared-wp_posts, que permite compartilhar os posts de uma única instalação dentro do mesmo banco de dados por meio da alteração da classe $wpdb e das informações relativas as tabelas MySQL que são consultadas para buscar informações do blog. Porém teve uma contra-partirda não prevista interessante, as páginas, menus, imagens e mídia, tudo acabou compartilhado, então é possível administrar vários blogs ao mesmo tempo de uma única tela, basta escolher a categoria que representa o veículo que pretende utilizar para disponibilizar o conteúdo.